Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
25
Dez 08
jls, às 20:19link do post | comentar
Estabelece o artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos do Homem que pessoas com deficiência gozam dos mesmos direitos fundamentais que os restantes cidadãos.
 
No entanto não é essa a interpretação que o Barclays de Paço de Arcos faz deste direito fundamental. Se interpreto bem o cartaz afixado na porta, indivíduos em cadeiras de rodas (atenção que o acesso é possível pois a agência está numa loja, R/C, não havendo qualquer obstáculo ou impedimento), cegos ou surdos estão proibidos de entrar na agência, assim como indivíduos com capacete. Animais, nomeadamente cães (no caso o do Tintim), só com trela.
 
Imagino as razões de tal discriminação. É provável que já tenham sido assaltados por um individuo em cadeira de rodas que se pôs em fuga e ninguém conseguiu agarrar, talvez um cego já tenha enganado um caixa a contar as notas e quem sabe se um surdo não terá dito que não ouviu bem um spread. É importante afastar estes mal-feitores das agências bancárias. Imaginem se eles criam um gang. Seria um verdadeiro terror.
 
Já os cães podem passear livremente pela agência, mas atenção só com trela. Pergunto-me ainda, e no caso de ser um cego com um cão guia? Talvez o cão possa entrar ir até à caixa fazer um depósito enquanto o cego fica à porta, isto se o cão estiver treinado para interpretar os sinais à porta.
 
Acho no entanto que falta o sinal mais importante naquela agência. O de atrasado mental do responsável por afixar tal discriminação.

Tenho isto a dizer:
a 15 de Janeiro de 2009 às 23:39

mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
23
24
26
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO