Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
17
Set 09

O homem da mala, como carinhosamente é tratado em casa por utilizar uma carteira como mala, já confessou.

 
Foram necessárias apenas 15 horas para que o Coro de Santo Amaro de Oeiras, entoando o hino do PSD inicialmente e marcha fúnebre posteriormente, arrancasse a confissão a António Preto.
 
Era tudo contrafeito. Começando pelo nome, uma vez que António é branco, pela roupa: pólo Jacoste, fato da Massimo Tuti e ténis Mike, e pelo dinheiro: notas do Monopólio. Até os votos, que afinal não eram no PSD mas sim no PDS.
 
António confessou que se inspirou no modelo Norte-Coreano de ganhar eleições. Imiscuía-se nos bairros sociais, vestia-se como eles, ganhava-lhes a confiança e roubava-lhes os votos. Foi ao ponto de se tornar arguido só para que o considerassem um deles.
 
A Comissão Nacional de Eleições, já depois da confissão, veio a publico afirmar que o esquema estava tão bem montado que os supervisores, recentemente transferidos do Banco de Portugal, apenas desconfiaram pelos valores em causa. Após várias entrevistas concluíram que um voto em António Preto nunca poderia valer 25 a 30 Euros, quanto muito 1 euro.
 
António Preto, pelo grave delito, será incluído nas listas do PSD e terá de cumprir serviço comunitário na assembleia da república como deputado. Posteriormente, e ainda pelo mesmo crime, será nomeado presidente de uma empresa publica. António Preto já avisou que vai recorrer.

mais sobre mim
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
19

23
26

29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO