Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
12
Jun 12
jls, às 19:03link do post | comentar | |

O que importa desta notícia não é saber como foi possível encontrar dentro de uma prisão em Acapulco, México, dois pavões, 19 prostitutas, 100 galos de luta, 2 sacos de marijuana e mais de 100 plasmas mas sim descobrir o que falhou na excecional organização dos reclusos que conseguindo este extraordinário feito não souberam que 500 policias preparavam uma mega inspeção surpresa à prisão.

 


23
Fev 09

Foi a revista Proteste, através do seu índice comparativo de preços, quem primeiro alertou para a gritante diferença de preços dos vários tipos de armas brancas nos estabelecimentos prisionais.

 
O Maneta, porta voz da máfia, só não veio a publico alertar que o incorrecto funcionamento do mercado negro nas prisões pode por em causa o ténue equilíbrio de forças entre guardas prisionais e presos e acabar definitivamente com as futeboladas das quintas, por estar a monte e temer que marcando uma conferencia de imprensa possa chamar a atenção das autoridades. No entanto, e através da sua página no Hi5, defendeu que a concorrência desleal que actualmente se pratica tem um nome e uma cara. Alberto Costa, ministro da justiça.
 
Insinuou também que o ministro da justiça terá obscuros interesses junto da indústria da cutelaria, pois só assim se justifica que permita a venda de canivetes nos refeitórios de alguns estabelecimentos prisionais e não de facas ou navalhas. Algumas empresas que se especializaram apenas num dos ramos atravessam agora dificuldades acrescidas, não só pelo factor crise mas também por não poderem competir em pé de igualdade junto deste importante mercado que são os bandidos.
 

Xico Costa, especialista em economia paralela e assuntos delicados, defende que é inadmissível que em pleno sec. XXI ainda se critique a liberalização dos mercados, especialmente dos nichos. Tal como as drogas, seringas e telemóveis que já circulam e se vendem livremente nas cadeias também às armas tal regra se deveria aplicar. Veriam se os bandidos que por aí andam à solta não preferiam ir para as cadeias. Com todas estas comodidades sempre se sentiam mais em casa, escreveu ele no blog do irmão Alberto.


mais sobre mim
Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO