Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
25
Nov 11
jls, às 12:48link do post | comentar | |

De 1988 a 2011 vão 23 anos. Em nenhuma outra era, nenhum outro século ou década o mundo e a sociedade evoluíram tanto e tão rapidamente como nos últimos anos. Também Portugal evoluiu e se modernizou. Todos os sectores da sociedade sem excepção se modernizaram, evoluíram e se adaptaram aos novos tempos. Bem, quase todos. Parados no tempo ficaram essas entidades hibridas e inúteis chamadas sindicatos.

 

É um exercício interessante analisar os motivos da primeira greve geral, a 28 de Março de 1988, quando CGTP e UGT se uniram para lutar contra o governo e compara-los com esta, a terceira. Na origem do protesto estavam então as leis laborais que o governo de Cavaco Silva pretendia aprovar. Carvalho da Silva e Torres Couto uniam-se para combater; a reintegração dos trabalhadores despedidos ilicitamente; a inaptidão do trabalhador que não podia servir como justa causa de despedimento e, por último, a ameaça aos direitos dos dirigentes sindicais que as novas leis laborais traziam.

 

Passados 23 anos o mesmo Carvalho da Silva agora com João Proença, Torres Couto há muito que se rendeu ao capitalismo, lutam por; o direito a ter um trabalho e não apenas uma ocupação do tempo; o não à precaridade e ao desemprego; a exigência a que a cada posto de trabalho permanente, corresponda um vínculo de trabalho efectivo; e ao aumento real dos salários e horários dignos que permitam conciliar a vida pessoal e familiar com o trabalho.

 

Além disto rejeitam o programa de agressão (ajuda da troika?), pois acham que temos forças para construir um Portugal com futuro e não aceitam que nos digam que é inevitável viver em piores condições, sem direitos, com piores salários ao mesmo tempo que se dão milhões à banca e ao grande capital. Este falso paradigma é tão velho que desconfio que seja mesmo anterior ao próprio comunismo e à velha ideia de que cada trabalhador representa o bem e que cada patrão personifica o mal.

 

A essência do discurso hoje é a mesma de há 23 anos atrás. Um discurso velho e gasto que por tanta e inadequada pedagogia já não convence ninguém. Estes sindicalistas profissionais que se eternizaram no poder, além do passado, já nem sabem quem representam, se os que não querem trabalhar se os que não deixam os outros trabalhar.

 

(segundo dados do expresso há na função publica 1.830 funcionários adstritos aos sindicatos, 450 dos quais a tempo inteiro. Se pensarmos que mais de 95% do nosso tecido empresarial são microempresas com menos de 5 funcionários a inutilidade destes funcionários cujo salario pagamos daria para constituir e manter pelo menos 500 novas empresas.)

 


13
Abr 11

Dada a continua destruição de regalias na Administração Publica, a imposição do mesmo tipo de sacrifícios aos trabalhadores nomeados para cargos públicos que aos restantes funcionários e a provável vitória do PSD nas eleições de 5 Junho e consequente perca do poleiro para a maioria de nós, decidimos juntar-nos à Frente Comum (Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública) e avançar com uma jornada de luta fazendo greve no próximo dia 6 de Maio, sexta-feira de bom tempo que vai dar um fim-de-semana em grande.

 

Já dissemos aos partidos políticos que não queremos mais esta política de direita que nos obriga a trabalhar quase todos os dias da semana. Não é com o corte de uma ou duas viaturas de serviço, a redução de assessores e secretárias, o recuo em mordomias e a limitação dos plafonds dos cartões crédito que vamos estimular a economia.

 

A greve pretende ainda exigir serviços públicos de qualidade, contestar a precariedade, a mobilidade, os despedimentos, o congelamento salarial, o aumento dos impostos, exigir carreiras dignificantes, a revogação do sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública. Somos também contra a presença do FMI, do BCE, da UE e da NATO em território nacional. Apenas aceitamos a presença da FNAC.

 

 

 


24
Nov 10

 

 

 

 

Entrava Carvalho da Silva na sede da CGTP para um último retoque nos números da greve, já depois de saber que também o Benfica em Telavive tinha sido impedido de jogar futebol por um piquete Israelita e assim aderido à coisa, quando tombou redondo no chão ao receber educadamente dois sopapos do piquete que barrava a entrada da porta do sindicato para impedir fura-greves de trabalhar.

 


Pedagogicamente e com a ajuda das suas botas da tropa Matterhorn com biqueira de aço o piquete explicou a Carvalho, optando pela cabeça, que num país livre e rico como o nosso todas as pessoa tem o direito de escolher fazer greve. Quem se julgava ele para ir trabalhar num dia destes?


Carvalho concordou acenando com os olhos. “A greve é oportuna para o futuro do país” e os números não enganam; a adesão superou tudo, desta vez foi de 106,7 %.


mais sobre mim
Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO