Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
01
Abr 11
jls, às 17:27link do post | comentar | |

 

Dada a impossibilidade de recorrer à ajuda externa, uma vez que Governo, Oposição e Presidente da Republica não se entendem sobre a legitimidade de quem o pode fazer, Paulo Futre o homem forte das cenas com a China, relembro que a divida soberana que Portugal vendeu à China foi negociada e intermediada por este sócio a troco de uns pós de perlimpimpim, veio defender, pois o seu coração sempre esteve com Portugal, que a legitimidade destes políticos é apenas de pedir ajuda interna, no caso à Deco.

 

Procuramos o sócio João Nabais, dono da DECO e proprietário de um tribunal de 2ª instância mas com potencialidades e preços de um de 1ª instância, para o confrontar com esta opinião do constitucionalista Futre.

 

No seu muro do HI5 disse-nos que o problema Português se enquadra no pedido típico que chega aos gabinetes da DECO. São essencialmente famílias que têm entre cinco e dez créditos e que se mostram surpreendidas por esta coisa a que os Credores convencionaram chamar de “regularizar as dividias” e “taxas de juros”. Confirmou ainda que um tal de Sr. Santos, mas que de todo não se chamava Teixeira, ligou para saber se a Deco tinha alguma gabinete de apoio a endividados anónimos.

tags: , ,

mais sobre mim
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO