Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
26
Ago 10
jls, às 20:03link do post | comentar | |

 

 

Regressado de férias e sem notícias da mulher, a monte com o seu amigo imaginário, Carlos decidiu marcar mais uma consulta com o seu Psiquiatra, o Doutro Cadélico. Este é o excerto da consulta T10E136.

 

(c) - Sabe doutor, nas férias pensei muito no que Platão me disse: A vergonha humana surge apenas ante a ameaça da descoberta.

 

(psi) - Falou com Platão?

 

(c) - Sim. Da escola clássica é com quem mais falo.

 

(psi) - Platão está morto. Como é que falou com ele?

 

(c) - Morto? Que tragédia… Ainda na semana passada aqui me cruzei com ele.

 

(psi) - Ah, esse Platão. O meu paciente.

 

(c) - Claro, pensava que era o filósofo? Ah ah ah.

 

Com um movimento rápido e preciso o Doutor Cadélico saca duma Beretta e aponta-a à cabeça de Carlos.

 

(psi) – Nunca se ria de mim, ok?

 

(c) – (…) Acho que ameaçar um paciente com uma arma não é das melhores terapias. É a minha opinião, que sou apenas licenciado em Psicologia e não doutorado como o senhor.

 

(psi) – Um destes dias peço uma segunda opinião. Até lá seguimos com a minha terapia. Entretanto perdi-me no raciocínio.

 

(c) – Ah ah ah. Junte-se ao clube. Perdidos andamos todos.

 

(psi) – Riu-se?

 

(c) – Não, não. Desculpe. Falava-mos na dicotomia vergonha/descoberta.

 

(psi) – Tudo se relaciona. No seu caso comer borrego é a solução.

 

(c) – Não consigo. Lembra-me o dia em que ela partiu.

 

(psi) – Por falar em partir. Tenho aqui duas más notícias para lhe dar. Chegaram-me ontem os resultados dos exames que fez.

 

(c) – Más noticias?

 

(psi) – Sim, muito más. Tem um cancro na carola.

 

(c) – Meu Deus, um cancro. E a segunda?

 

(psi) – Também lhe diagnosticaram Alzheimer.

 

(c) – Meu Deus, Alzheimer. (…) Bem, pelo menos não tenho cancro.

 

(psi) – É injusta a vida Daniel. Vou ajuda-lo na sua dor.

 

(c) – Daniel? Mas eu sou o Carlos. Trocou-me novamente com o paciente das 15H?

 

(psi) – (…) Deixe-me consultar a agenda. Tem razão Carlos. Esses exames não são seus. Os seus estão aqui, na hora do Daniel.

 

(c) – Ainda bem. Pobre Daniel.

 

(psi) – Oh diabo! Isto não está nada bom. Cancro, Alzheimer e Parkinson. Lamento muito.

 

(c) – Empreste-me a arma doutor.

 

(psi) – Ah ah ah. Estava a entrar consigo. Só tem Alzheimer. Até para a semana e venha na hora do Daniel para eu acertar a agenda.


Pobre Carlos... eu já estive numa situação identica, quando a minha namorada foi passar férias com o meu melhor amigo durante dois anos e não me convidou... :)
bem haja!

de volta à blogosfera com mais um post no local do costume :)
Maionese a 31 de Agosto de 2010 às 13:37

mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO