Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
23
Dez 11
jls, às 18:58link do post | comentar | |

O PCP, esse museu vivo, é sem dúvida uma caixinha de surpresas. No inicio da semana surpreendeu-nos com este triste comunicado quando se devia congratular com morte desta inqualificável criatura (Kim Jong-II). A meio da semana conseguiu ir ainda mais longe opondo-se a um voto de pesar na Assembleia da Republica pela morte de Vaclav Havel, herói da revolução de Veludo na antiga Checoslováquia.

 

Não me revendo em nenhuma posição que este partido defende nutro no entanto alguma simpatia e respeito por militantes seus. Admiro a inteligência e capacidade argumentativa de Bernardino Soares e os seus malabarismos para defender o indefensável. Em Jerónimo, a capacidade de trabalho, seriedade e dedicação a uma causa e pouco mais. Imagino assim a decepção que será para qualquer militante ou simpatizante comunista, que verdadeiramente o seja, ao lembrar o ponto número um do programa/manifesto do PCP, pelos vistos esse grande equivoco, e que diz o seguinte:

 

O Partido Comunista Português, partido político da classe operária e de todos os trabalhadores, inteiramente ao serviço do povo português e de Portugal, tem como objectivos supremos a construção do socialismo e do comunismo - de uma sociedade nova liberta da exploração do homem pelo homem, da opressão, desigualdades, injustiças e flagelos sociais, sociedade em que o desenvolvimento das forças produtivas, o progresso científico e tecnológico e o aprofundamento da democracia económica, social, política e cultural assegurarão aos cidadãos liberdade, igualdade, elevadas condições de vida, cultura, um ambiente ecologicamente equilibrado e respeito pela pessoa humana.

 

A Coreia do Norte é e sempre foi o contrário de tudo isto. Nos últimos anos morreram ou estão em risco de morrer mais norte-coreanos pela fome do que nas guerras do Iraque e Afeganistão juntas e contra as quais o PCP veemente sempre se bateu. É pois vergonhoso a direcção do partido mostrar esta hipocrisia de apresentar condolências à direcção do partido “amigo” ou “irmão” do Trabalho da Coreia pelo falecimento do querido líder cujo nascimento estava associado ao aparecimento de uma nova estrela e de um duplo arco-íris, propaganda que estranhamente o PCP ainda não comentou.

 

Quando enterrarem o defunto e o seu filho assumir o poder, líder ainda mais extraordinário e carismático, neste caso o seu nascimento está associado à transformação de rios em correntes de sumo de laranja e relva em bifes, tal é o delírio, provavelmente o PCP fará um novo comunicado a desejar à governação de Kim Jong-un sorte no prosseguimento do ideal comunista, que alguém tão bem caracterizou com essa forma de monarquia totalitária onde os donos do poder se apoderam dos bens públicos, roubam os bens privados, e distribuem ao povo fome e miséria.

 

Já Vaclav Havel, persona non grata nas hostes comunistas, cometeu esse terrível crime de liderar um país rumo à democracia abandonando o comunismo e mais grave ainda, sendo uma pessoa da cultura, pelas peças que escreveu satirizando o antigo regime comunista da Checoslováquia quando integrava o Pacto de Varsóvia.

 

É certo que Vaclav Havel não foi iluminado como Kim Jong-un, o “farol de esperança” ou “uma grande pessoa nascida no céu”, forma como é conhecido o futuro líder Coreano que tem poderes tão extraordinários que segundo as publicações oficiais, ainda criança e após ter aprendido as primeiras letras, compôs um “inestimável poema erótico” que produzia orgasmos generalizados sempre que era lido em público. Sem duvida que é disto que comité central comunista precisa para regressar à sua triste realidade ou pelo menos à terra. 

 


20
Dez 11
jls, às 12:21link do post | comentar | |

António José Seguro defendeu recentemente, provavelmente depois de uma noite de copos com Pedro Nuno Santos, que os países com excedentes orçamentais devem ser sancionados; "Não entendo porque não se fala em sanções para quem tem excedentes e não os coloca ao serviço da economia", disse Seguro numa conferência promovida pelo jornal Diário Económico.

 

Numa Bimby avariada Seguro conseguiu misturar as quantidades erradas de ingredientes Keynesianos e Neo-liberais e daí extrair esta teoria económica que já fez com que Paul Krugman, antigo Nobel da economia, o adicionasse como amigo no facebook só para tentar apreender a profundidade do seu pensamento económico.

 

Se é lógico que para países com défices excessivos a austeridade serve de sanção, os portugueses infelizmente sentem-na na pele, pois ninguém se governa eternamente gastando mais do que produz/recebe, esta teoria que tudo inverte, o bom senso incluindo, não sanciona apenas esses mas também os outros que fruto do seu trabalho e rigor conseguem excedentes. Na opinião de Seguro é obrigação destes colocar esses excedentes na economia para, pasmem-se, ajudar aqueles que pelas mais variadas razões, incompetência política incluída, não fazem o que é suposto ser feito.

 

Ou seja, um tipo de RSI (Rendimento Social de Inserção) ao nível dos países onde os mais ricos e competentes devem artificialmente desvirtuar a concorrência e as suas contas libertando recursos para que outros (estaria certamente a pensar em Portugal) possam continuar a viver da forma errada como sempre fizeram.

 

Assustam-me estes tiques esquerdistas de fé num protectorado social e a crença que esta gente continua a ter que é sempre obrigação dos mais fortes ir em socorro dos mais fracos. Quando esta solidariedade não surge naturalmente é obrigação de socialista que se preze promover esse voluntariado obrigatório por qualquer via. Proclamar ao mundo, mesmo que seja de Castelo de Paiva, que; “ou os senhores se põem finos ou nós não pagamos” e “se não pagarmos a dívida e se lhes dissermos as pernas dos banqueiros alemães até tremem” não é sinal de inteligência nem de bluff político ou negocial quanto muito são duas garrafas de vinho a falar.

 

Tinha sido mais fácil e compreensível a Zorrinho e a Galamba terem simplesmente dito que Pedro Nuno Santos estava bêbedo, quanto às declarações de Seguro já é mais complicado pois foram feitas durante a manhã.

 

Querem uma verdadeira razão para emigrar? Esta gente pode voltar a governar-nos.


mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO