Redige habitualmente em latim, língua que não domina nem tão pouco conhece, artigos científicos que as revistas da especialidade teimam em não publicar. Para a TV7 DIAS e MARIA escreve artigos económicos. No tempo que lhe sobra escreve aqui.
29
Jun 10

A estranha conjugação astral da passada semana em que Leão esteve em Alcochete, Touro no Campo Pequeno, Virgem em Fátima e Maya nas Finanças levou Paulo Cardoso a fundir associação dos Tarólogos com a dos Fetiches aumentando assim o poder negocial junto do Movimento Associativo das Matemáticas Aplicadas do Sul (MAMAS) para que os números não voltem a trair os profissionais da adivinhação.

 

Ao contrário de que alguns astrólogos viram nas cartas, e outros na praia, não foi a recusa de uma maré na Ericeira em vazar que tresmalhou as previsões e irritou a MAMAS mas sim as contas que a MAYA fez à vida.

 

De acordo com esta notícia, confirmada pela própria, a taróloga é proprietária dum imóvel na Ericeira que foi recentemente penhorado por uma divida ao fisco de 26.316 €. O imóvel cujo valor comercial é superior a 150.000 € vai ser leiloado em Setembro por 65.989 €, resultando daí uma receita de 39.673 € (65.989 € - 26.316 €). O mais extraordinário é que Maya pretende que a execução fiscal se realize para assim se desfazer do imóvel.

 

Segundo nos confidenciou um búzio das suas relações o forte da taróloga nunca foram os números e muito menos as contas, razão pela qual nunca conseguiu concretizar o seu sonho de menina; trabalhar nos CTT distribuindo cartas. O mesmo búzio, recentemente casado com uma antiga bola de cristal transformista, agora de berlim, ainda sugeriu à amiga para que colocasse uma placa a dizer - VENDE-SE. Maya chegou mesmo a consultar os Astros para uma segunda opinião, mas um Astróide da Remax ter-lhe-á dito que era mais seguro investir o dinheiro da placa em silicone, conselho que seguiu.


24
Jun 10
jls, às 22:36link do post | comentar | |

É do Futuro que vos escrevo. Pequena aldeia do concelho de Grândola, distrito de Setúbal.

 

Assava alegremente uma tramitação legal à padeiro, a servir com um parecer jurídico sobre a criação de vuvuzelas em cativeiro, quando me ligaram do governo pedindo um alvitre sobre a colocação de portagens nas SCUTS. Comecei por recusar alegando motivos pessoais, nomeadamente o facto do mundial ainda ir a meio, mas apelaram ao meu patriotismo e (sentimentalista como sou) lá acedi em dar a opinião a troco duns parcos cinco milhões de euros a transferir antecipadamente para a minha conta offshore de Cantanhede.

 

Por estar no Futuro abordo este tema de peito feito dando-vos conta do que já aqui se passa. Era governador civil da aldeia, há uns anos atrás, o sanguinário Radamel Falcão sendo o seu cruel tesoureiro Ernesto Farias quando numa reunião de sábios no café do coxo, Mariano para os amigos, concluíram que as contas da aldeia estavam tão mal que nem dinheiro havia para o essencial - as minis.

 

E foi ao ver o coxo atrás do balcão de bandolete na cabeça que Farias teve a mais brilhante ideia da sua curta carreira de tesoureiro. E porque não colocar uma bandolete munida de um chip na cabeça de cada cidadão? Assim, e por débito directo em conta, cobramos os impostos municipais, as entradas em espectáculos, as idas às casas de alterne, as portagens sobre a ponte pedonal e logo inventaremos mais alguma coisa para taxar. Excelente, exclamou Falcão engasgando-se com um tremoço. Publico amanhã em edital a obrigatoriedade do uso da bandolete. Informa o policia Alves que podem decapitar qualquer cidadão que não a use e que só são validas as comercializadas na loja do Meireles. Ele depois que nos dê 60% das vendas. Quanto ao resto da história é o que se sabe. Veio o aquecimento global e no Futuro morreram todos.

 

Mas a ponte que aqui deixo é que os chips das matrículas para cobrança das portagens nas scuts são como as bandoletes. Inicialmente vão servir apenas para cobrar as portagens, depois junta-se os impostos sobre circulação e a obrigatoriedade da inspecção periódica e seguidamente estão informar o posto da GNR mais próximo que o condutor além de circular sem cinto vai a falar ao telemóvel em excesso de velocidade para se encontrar com a (o) amante. Assim sendo concordo plenamente com a ideia pois cresci a ver o Zé Maria no Big Brother e o país precisa de uma nova animação, os que disserem que é apenas porque tenho um comerciozito de chips quitados além de revelarem má fé estão também a ser invejosos.

 

Há no entanto que verbalizar um ponto. A justiça do pagamento das portagens. Na altura da construção das Scuts a primeira classe da escola primária nossa Senhora da Conceição no Fundão ainda tentou explicar ao nosso mais famoso refugiado, o Engº Guterres, que o modelo criado só funcionário no Dubai à lei do petróleo. Explicaram-no por números e um menino de 6 anos fez mesmo um desenho, mas o Engº não percebeu. Respondeu-lhes que era melhor sermos todos a pagar porque assim era melhor e se o mundo acabasse amanhã esse problema nem existia. O menino, hoje com 18 anos, ainda guarda o desenho com os carros, a estrada e a portagem, no entanto a lógica que lhe escapa é que continuamos todos pagar e haverá uns, os utilizadores que até aqui eram os privilegiados que pagavam (via impostos) e usufruíam da coisa, que pagam agora duas vezes. Nos impostos (porque o modelo jamais será sustentável) e nas portagens.

 


21
Jun 10

(abertura do rodapé do telejornal Norte-Coreano)

 

 

 

A pedido dos nossos camaradas Jerónimo de Sousa e Bernardino Soares, lideres do maior partido comunista da pequena província Europeia que é Portugal, a invencível selecção da Republica Democrática da Coreia do Norte acedeu em ser derrotada no torneio de futebol das vuvuzelas na África do Sul.

 

Os nossos gloriosos jogadores, humildes heróis que serão condecorados quando chegarem à nossa nobre nação com a incorporação no pelotão 51 da próxima guerra com os desavindos irmãos do sul, receberam instruções do querido líder Kim Jong-il no sentido de sofrer sete golos e evitar a tudo o custo marcar um, missão que cumpriram com sucesso.

 

A pequena província europeia em que os nossos irmãos comunistas vivem sofre de graves problemas de auto-estima, falta de confiança e duma grave crise económica e financeira provocada pelo capitalismo selvagem que o ditador Sócrates impõe ao seu infeliz povo. Só o futebol, quando ganham, e uma malga de arroz lhes dá a alegria necessária para continuar a viver. Inúmeros pedidos de asilo na nossa nobre nação tem sido solicitados e rejeitados.

 

Para comemorar o êxito desta missão haverá fogo de artifício no desmilitarizado jardim suspenso Kim Jong-il e o terceiro pelotão de fuzilamento "Forcados amadores de Pyongyang" brindará a família do nosso querido seleccionador com um espectáculo de vuvuzelas.


17
Jun 10

Com os 12 milhões de USD que me transferiu a viúva do presidente da NNPC-Nigéria National Petroleum Corporation, uma simpática nigeriana que conheci pela Internet e a quem ajudei com a burocracia da herança do falecido marido, enviando-lhe para o efeito 25 mil USD em notas falsas para pagamento dos impostos da transferência, construí uma fabrica de vuvuzelas em Sanfona.

 

As vuvuzelas são do ca#»!/0. Amem-se ou odeiem-se, mas são do ca#»!/0. Originária da terra dos zulus, havendo uma tese que defende que foi ela que os extinguiu, inicialmente chamava-se kuduzela e era usada pelas tribos para convocar reuniões. Na década de 60 uma empresa Sul-Africana, a Masincedane Sport, decidiu produzir estes instrumentos em massa numa versão plástica exclusivamente para nos fº$#* o juízo.

 

O volume sonoro, fruto de uma nota só, entre os 125 e 130 decibéis é semelhante ao barrir dum elefante e pode matar um macaco se o apanha distraído. Nos humanos pode causar danos auditivos irreversíveis, razão pela qual a Galp as decidiu comercializar. Se os seus clientes já tem necessidades especiais, nomeadamente a nível da visão por não verem os exorbitantes preços que a petrolífera pratica, porque não aumentar-lhes essas necessidades especiais retirando-lhes a audição e assim impossibilitando-os de ouvir os avisos para que evitem as suas áreas de serviço.

 

Mas como vos dizia, antes deste parêntesis histórico (verdadeiro), construi uma fábrica de vuvuzelas que também já está preparada para fabricar as babazelas, as mamazelas, as sockzelas e as vuthelas, os vossos próximos pesadelos. O objectivo não é enriquecer pois os 12 milhões de USD que a viúva que me enviou e prontamente investi em produtos do BPP dão-me a folga financeira necessário para que antes do fim da semana não tenha de vender um rim para equilibrar as contas.

 

O meu objectivo é outro. Pretendo fabricar o número suficiente de vuvuzelas para que todos os que gostam de as soprar possam ter uma segunda para introduzir no orifício anal e assim duplicar a sua afirmação perante a sociedade. Para os quadros da GALP, que tiveram a brilhante ideia de as trazer para Portugal, estamos a preparar um modelo especial com um pequeno depósito que depois de cheio de Gasolina G-Force 98 e pressionando um dispositivo lateral semelhante a um isqueiro, enquanto se sopra, provoca uma sensação de euforia idêntica à que um foguete sente no momento em que é ateado. Os primeiros testes realizados na área de serviço de Aveiras com o director de Marketing da GALP foram promissores apesar dos cães pisteiros ainda não o terem encontrado todo.

 

Para os saudosistas que ainda se lembram como era ver um jogo de futebol sem o irritante barulho de 6 mil Julias Pinheiro a ressonar em simultâneo os principais canais de TV já disponibilizam meios para suprimir esse ruído. Para breve esperam-se meios mais evoluídos que permitam bloquear qualquer referência à pior gasolineira do mercado.

 


15
Jun 10

Foi com comichão que a comunidade científica, na qual este vosso co-cidadão se inclui (sócio 239 com a quota de Janeiro em dia), reagiu à invenção. Depois da descoberta da roda há 5500 anos pelos mesopotâmios, da lâmpada em 1879 por Thomas Edison foi agora a vez de Joseph Wang surpreender o mundo com invenção das cuecas inteligentes.

 

Poderão pensar os mais leigos e um ou outro idoso da Cova da Piedade que as cuecas inteligentes servirão para aconchegar melhor o zézito aos meninos ou proteger ainda mais a perseguida às meninas. Mas não, as cuecas são para uso militar e talvez um dia quem sabe para uso civil. No elástico, que nas vossas alarga com as lavagens, Wang inseriu um biosensor electrónico capaz de medir a pressão sanguínea, a pulsação e outros sinais vitais. Através desta tecnologia as cuecas podem detectar ferimentos e automaticamente medicar quem as veste.

 

Para as forças militares futuras estas cuecas tem o mesmo significado que a bomba atómica teve na 2ºguerra mundial. Mudam tudo. Soldados armados com umas Jockey, tamanho médio, 100% algodão, tornam-se máquinas de guerra invencíveis. Desconfio que se lhe derem uma vuvuzela para as mãos tornar-se-ão imortais.

 

Apesar do uso militar há já muitos interessados no uso civil. Soube-se pelas escutas do processo TVI que Rui Pedro Soares negociava com Wang, com a bênção de Sócrates, um empréstimo a um spread Vara (ligeiramente inferior a zero) a abertura de uma loja chinesa no Martim Moniz para comercializar as cuecas onde políticos e também Ricardo Rodrigues se poderiam abastecer. Corre o boato, conforme o DN publicará brevemente, que Sócrates só fala Espanhol dado o excesso de confiança que ganha quando veste o modelo de cuecas de Wang.

 

 


mais sobre mim
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
18
19

20
22
23
25
26

27
28
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO